Prefeito diz não saber quando pagará salários de dezembro

Prefeito Julio Batatinha

Em reunião realizada entre a Prefeitura Municipal, o Sindicato dos Empregados da Prefeitura – SEMPRE e cerca de 300 servidores municipais, o prefeito Julio César Bueno da Silva, o Julio Batatinha (PTB), anunciou sua decisão de não pagar no mês de janeiro, os vencimentos referentes a dezembro de 2012 nem o 13º dos funcionários do setor de saúde. Disse ainda que não há previsão para efetuar esse pagamento e que o fará apenas quando houver dinheiro em caixa. Com a medida, cerca de 520 servidores sairão prejudicados e ficarão sem seus salários já no primeiro mês do ano.

A reunião foi promovida pelo SEMPRE e realizada às 19:00h desta quarta-feira (16) no prédio da Câmara Municipal. O prefeito fez uma explanação sobre a situação financeira em que se encontra a prefeitura e deixou bem claro que não há dinheiro suficiente para honrar a folha de pagamento de dezembro, já empenhada pela gestão passada, que totaliza mais de R$ 1 milhão. Muitos servidores se manifestaram, apresentando questionamentos ao prefeito, que respondeu a todos prontamente.

A PROPOSTA DO PREFEITO

Julio Batatinha se comprometeu a pagar o mês de janeiro até o 5º dia útil de fevereiro e promover os pagamentos, tanto da folha de dezembro quanto do 13º do pessoal da saúde, divididos em parcelas que poderão variar em conformidade com a receita do município durante os meses vindouros, a partir de fevereiro. Ressaltou também que irá padronizar a data do pagamento do quadro de funcionários, sendo que todos receberão seus proventos no mesmo dia, ao contrário do que ocorria na gestão passada.

POSICIONAMENTO DOS SERVIDORES

Benedito Oliveira, presidente do SEMPRE, colocou em discussão a medida apresentada pelo Executivo, oferecendo aos servidores duas alternativas: aceitar a proposta do prefeito ou entrar com uma ação judicial para receber o salário referente a dezembro na justiça. Sem muitas opções, a maioria dos presentes decidiu por acatar a proposição de Julio Batatinha, uma vez que uma medida judicial poderia tornar o recebimento salarial ainda mais demorado. Alguns poucos servidores optaram pela segunda alternativa e decidiram entrar com medida judicial contra o município, havendo o SEMPRE se disponibilizado a oferecer o devido suporte aos mesmos.

OS PROFESSORES

No caso específico dos professores, a classe terá uma reunião com o prefeito para resolver algumas outras pendências relativas ao setor de educação como o pagamento de 1/3 das férias, o adicional de 5% referente à avaliação de desempenho (devido desde o mês de novembro de 2012) e o reajuste do piso nacional.

Deixe uma resposta