População de Alpinópolis sofre com problemas relacionados à água

água_rosa_copasa_alpinópolis

Moradores de Alpinópolis enfrentam novamente problemas relacionados ao tratamento da Copasa. Nesta semana, além do esgoto, a água foi motivo de fortes críticas da população nas redes sociais.

O vereador Rafael Freire (PTdoB) postou em sua rede social, segunda-feira, 15, uma foto de um balde com água cor de rosa. A água havia sido retirada da torneira do quintal da casa de Domingos José da Silva, aposentado, 47, residente do bairro Santa Efigênia.

De acordo com Domingos, a coloração da água já havia alterado outras vezes, mas não com tanta intensidade “Deixei a água no balde pensando que era algum tipo de químico que tinham usado no tratamento (Copasa), mas quando olhei no final do dia ela tinha ficado clara de novo”, afirma. O aposentado e moradores do bairro pagam a taxa relativa ao tratamento, mas parte do esgoto cai a céu aberto “O cheiro é forte, tem dias que é difícil aguentar”.

Relatos de mau cheiro foram denunciados por moradores de diversos bairros, como por exemplo: Panorama, Mundo Novo, Vila Betânia, Rosário, CEA, Jardim Salum e Poço das Andorinhas, localizado próximo à estação de tratamento da Copasa.

Para o vereador Rafael, o serviço prestado pela Copasa não exime a fiscalização da prefeitura “A vigilância sanitária de Alpinópolis tem obrigação legal de fiscalizar o tratamento no município, até agora nada foi feito. Aprovamos o Código Municipal de Vigilância em Saúde. Espero que a população abrace essa causa para que possamos resolver esse impasse”.

A Prefeitura Municipal foi procurada, mas preferiu não comentar o caso.

HISTÓRIA

O convênio com a Copasa foi firmado pelo ex-prefeito Júlio César Bueno da Silva, o Júlio Batatinha (PTB), em 2015 e permite a exploração de água e esgoto no município por 30 anos. O contrato resultou no aumento de 90% na conta do consumidor.

Denúncias de que o serviço oferecido não estava sendo cumprido levaram a Câmara Municipal a abrir uma Comissão Especial de Inquérito (CEI), que foi encerrada em maio de 2017. Os pareceres dos vereadores foram encaminhados à promotora Larissa Brisola, representante do Ministério Público em Alpinópolis.

Em novembro de 2017, a Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário de Minas Gerais (Arsae-MG), comunicou que 46%  do esgoto coletado no município é lançado no meio ambiente sem tratamento, 54% é submetido ao tratamento e liberado no Ribeirão Conquista. O documento apontava também que o município contava com 6.320 ligações da Copasa, correspondente a 90,42% da população urbana.

Fonte: Folha da Manhã – Escrito por Thaísa Amaral

Deixe uma resposta