Instituto Educacional Padre Ubirajara Cabral, o Iepuc, completa 24 anos

O Instituto Educacional Padre Ubirajara Cabral, o Iepuc, completa 24 anos de atividade em Alpinópolis e foi criado graças à iniciativa de um grupo de pais, em meados dos anos 90, que desejava contar com uma nova escola na cidade. A ideia era criar uma instituição que possuísse em seu projeto pedagógico a missão de propiciar um ensino de qualidade, com disciplina, evitando assim a saída prematura dos filhos para outras localidades.

Dessa forma, foi constituída, no dia 1º de novembro de 1994, a Cooperativa de Ensino de Alpinópolis. O ato foi consumado em uma Assembleia Geral da Comunidade, realizada no salão da antiga Cooralcredi (hoje Sicoob Credialp), com a presença de aproximadamente 40 pessoas. Ao longo de sua história, a instituição já teve quatro presidentes: Fernando Abreu, o primeiro a assumir a direção da cooperativa, seguido por José David Faria Soares, Sebastião Sandre Ângelo e Natan Brasileiro do Carmo. Atualmente, o cargo é ocupado, pela segunda vez, pelo engenheiro Sebastião Sandre Ângelo, o Tião Capeta.

Posteriormente, em 15 de dezembro do mesmo ano, no salão de festas do Clube Serra Verde, uma reunião foi feita para tratar dos valores que cada cooperado deveria disponibilizar e também apresentada a escritura pública de um terreno, doado pelo Monsenhor Ubirajara Cabral, situado ao lado da Santa Casa de Alpinópolis, local antes conhecido pelos nomes de “Pouso de Aviação” e “Campo 15”. Ficou determinado que o terreno seria utilizado exclusivamente para a construção de um prédio para acomodar a escola da recém-criada cooperativa.

Na mesma oportunidade, foram detalhados os custos das modalidades e graus de ensino e, em seguida, declarado aberto o processo de inscrição para ingresso de novos cooperados, assim como a realização das matrículas dos alunos. Também foi explicado como seria feita a contratação de professores e, por fim, apresentado o projeto para a construção do prédio escolar, ficando decidido que seria levantado um empréstimo de R$ 50 mil, junto ao Banco do Brasil, para início das obras.

Os anos três anos subsequentes (95, 96 e 97) foram dedicados à preparação da documentação necessária para o funcionamento da futura escola. Foi um trabalho árduo e participaram desse processo Sebastião Sandre Ângelo, Maristela Paim Oliveira, José Davi Faria Soares, José Bernardino Vilela, Domingos Sávio Teixeira e, sobretudo, a educadora Luzia Damasceno Ribeiro Cunha, que já havia sido indicada para se tornar a primeira diretora da escola, e Irene Gonçalves Brasileiro Freire, também pedagoga e com larga experiência no setor educacional da cidade. “Foram três anos de trabalho voluntário, supervisionado pela Superintendência Regional de Ensino de Passos, para a organização de toda a documentação exigida”, lembrou a educadora.

Além da documentação, também era necessário providenciar a construção do prédio, comprar o mobiliário e abastecer a escola com livros e material pedagógico. “Buscamos doações de livros e outros equipamentos junto à comunidade e, não raras vezes, isso saia de dentro de nossas próprias casas. Um detalhe importante, que deve ser sempre lembrado, é que a primeira (e única) enciclopédia para pesquisa da escola foi uma ‘Barsa’, doada pelo Padre Ubirajara”, relatou Luzia Damasceno.

Sebastião Sandre Ângelo, o Tião Capeta, homem dotado de forte visão empreendedora, não mediu esforços para viabilizar a parceria com a Rede Pitágoras, de Belo Horizonte. Acompanhado pelo cooperado Domingos Sávio Teixeira, o Savinho, estiveram na capital e firmaram o contrato, já regressando de lá com o material didático garantido para iniciar o ano letivo.

Assim, no dia 24 de março de 1998, após autorização da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, a escola iniciou suas atividades com 27 estudantes. Até o final daquele ano o número de matriculas mais que triplicou, chegando a 97 alunos.

A solenidade de inauguração do Instituto Educacional Padre Ubirajara Cabral foi marcada para às 17 do dia 21 de abril de 1998, nas dependências da escola. A cerimônia foi iniciada com o corte da fita pelo presidente e, logo após, foi dada a benção do prédio pelo Monsenhor Ubirajara Cabral, benfeitor da cidade de Alpinópolis, motivo pelo qual teve seu nome escolhido para denominar a instituição. Esteve presente também o professor Pedro Borges, diretor regional da Rede Pitágoras.

Em 16 de dezembro a instituição integrou em seu estatuto a sigla “CEAL”, tendo em vista a exigência da Ocemg (Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais), para proceder o registro da empresa na referida organização, compondo todos os documentos constitutivos da cooperativa.

O prédio, que inicialmente possuía 580 m², não dispunha de quadra de esportes e as aulas de Educação Física eram realizadas no Clube Serra Verde. Todavia, com o passar dos anos, as dependências foram aumentadas e uma quadra coberta foi construída.

Desde sua fundação, a escola contou com a liderança de cinco diretoras que, cada qual a seu estilo, contribuiu para o crescimento dessa que é considerada uma das melhores escolas da região. Foram elas: Luzia Damasceno Ribeiro Cunha, Adriane Imaculada Marques de Souza Sarno, Valéria das Graças Damasceno Oliveira, Edna Maria Ribeiro Santos e Oxlaine Cristina dos Santos Rodrigues, esta última a atual dirigente.

Leave a Reply