Geração de emprego continua negativa em Alpinópolis

Nos primeiros cinco meses de 2018 as demissões superaram as contratações em Alpinópolis.  O município, que foi na contramão da região Sudoeste de Minas, do estado de Minas Gerais e no Brasil, mais fechou do que abriu postos de trabalho neste período, encerrando com um saldo negativo de duas vagas. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram recentemente divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Das 21 cidades que compõem o Sudoeste de Minas, apenas seis apresentaram saldo negativo na geração de empregos no período, sendo elas Itaú de Minas (-39), São José da Barra (-26), Nova Resende (-16), Bom Jesus da Penha (-10), São Tomás de Aquino (-4) e Alpinópolis (-2).

As demais tiveram desempenho positivo e criaram novos postos de trabalho. O melhor resultado foi verificado em São Sebastião do Paraíso (+601), seguido por Piumhi (+536), Passos (+309), Cássia (+201), Capitólio (+168), Conceição da Aparecida (+161), Guapé (+97), Carmo do Rio Claro (+93), Delfinópolis (+91), Fortaleza de Minas (+84), São Roque de Minas (+72), Capetinga (+70), Jacuí (+66), São João Batista do Glória (+22) e Alterosa (+12).

O desempenho desfavorável de Alpinópolis (-2) se contrapõe aos resultados positivos alcançados na região Sudoeste de Minas (+2.494), em Minas Gerais (+73.159) e no Brasil (+344.718). No entanto, levando em consideração apenas o último mês verificado (maio) é possível ver que o saldo alpinopolense foi positivo em nove vagas.

De janeiro a maio, em Alpinópolis, foram 325 contratações e 327 demissões. Somente dois setores reagiram positivamente, o de Serviços (+33) e a Agropecuária (+1), ficando os demais com saldo negativo. Os que tiveram o pior desempenho foram a Indústria de Transformação (-15), a Construção Civil (-11), a Extração Mineral (-5) e o Comércio (-5).

Deixe uma resposta