Frota de veículos mais que dobra em Alpinópolis nos últimos dez anos

Um comparativo feito com os números disponibilizados pelo Departamento Nacional de Trânsito – Denatran, mostra que a frota de veículos em Alpinópolis mais que dobrou nos últimos dez anos. Os dados indicam que, entre fevereiro de 2008 e fevereiro de 2018, o número aumentou cerca de 106%, subindo de 5.499 para 11.374 neste período.

Somente automóveis, os chamados veículos de passeio, são 6.944 registrados na cidade, segundo o Denatran. As motocicletas somam 2.847 unidades, os caminhões são 522 e as caminhonetes 1.102. As demais categorias apresentam números mais modestos, sendo 194 camionetas, 158 reboques e semirreboques, 90 ônibus, 90 motonetas, 51 micro-ônibus, 37 utilitários, 35 caminhões-tratores e 7 ciclomotores.

O período em que a frota alpinopolense apresentou aumento mais acentuado foi entre 2008 e 2013, quando a quantidade saltou de 5.499 para 9.107, um incremento de 65%. O crescimento no número de carros e motos neste período específico se deu por motivos predominantemente alheios à economia municipal, como a melhora do poder aquisitivo em virtude da alta das commodities, a disponibilidade de crédito no mercado – devido à queda de juros e maior estabilidade econômica, a redução do imposto sobre produtos industrializados (IPI) e o aumento da oferta de produtos importados, o que propiciou a queda do preço de carros luxuosos e populares.

Entre 2013 e 2018 o aumento no número de veículos foi mais discreto e alcançou pouco mais de 25%. Nos últimos 12 meses, entre fevereiro de 2017 e fevereiro de 2018, a alta na frota foi de 6%, subindo de 10.729 para os atuais 11.374.

De acordo com dados do IBGE, a mais recente projeção para a população de Alpinópolis aponta um número de 19.846 habitantes. Fazendo um cruzamento deste quantitativo populacional com os números do Denatran, conclui-se que em Alpinópolis há uma média de 1 veículo para cada 1,7 morador.

O aumento da frota em Alpinópolis, de forma geral, concede sinais positivos à economia do município. Todas as atividades de manutenção, reparos e cuidados com as distintas categorias de veículos, como autopeças, mecânicos, postos de combustíveis, borracharias, entre outras, que se beneficiam de modo direto deste crescimento. Há também a questão do incremento na arrecadação de impostos por conta do IPVA, o que favorece diretamente a Prefeitura de Alpinópolis, já que 40% do total apurado com este tributo cai nos cofres municipais.

No entanto existem também os pontos negativos. Há um óbvio aumento na poluição gerada na cidade, o crescimento do risco de acidentes e um maior desgaste das vias públicas. Tais consequências acabam gerando gastos para a administração local, que passa a ter necessidade de promover um maior controle do trânsito, oferecer mais manutenção nas ruas e estradas vicinais, implantar semáforos e placas, além de fazer um planejamento urbano para um melhor fluxo dos veículos.

Deixe uma resposta