Escola de Alpinópolis é selecionada para participar de Olimpíada de Matemática na Ásia

Em função da conquista de diversas medalhas na Olimpíada Internacional de Matemática sem Fronteiras, organizada no Brasil pelo Programa de Olimpíadas da Rede POC, a escola estadual D. João VI, de Alpinópolis, foi selecionada para integrar a delegação do Brasil para participar da Asia International Mathematical Olympiad – AIMO 2018, que ocorrerá de 03 a 07 de agosto na cidade de Bangcoc, na Tailândia. Este ano, mais de 60 alunos da escola foram medalhistas.

A instituição pública alpinopolense tem se destacado em premiações do gênero. Somente na edição 2018 a escola recebeu 10 medalhas de ouro (nível estadual), 19 de prata (nível estadual), 10 medalhas de prata (nível nacional), 15 medalhas de bronze (nível nacional), além de ter emplacado 14 medalhas de destaque escolar. No último dia 11 de junho foram entregues, em Passos, as medalhas referentes a outra olimpíada, a OBMEP, quem em 2017 premiou as alunas Eliza Silva Borges (medalha de prata) e Milena Lima Evaristo (medalha de bronze).

A professora Selma Vaz, uma das responsáveis pela preparação dos estudantes, acredita que essas olimpíadas se tornaram um meio de atrair os alunos para a matéria. “Nós entendemos que essa natureza de competição acaba se tornando uma poderosa ferramenta pedagógica a ser usada dentro da sala de aula. Investimos nosso tempo e recursos na preparação dos alunos e, para isso, nada melhor que o convencimento de um professor apaixonado pela matéria. Quanto maior o preparo, maiores as chances de bons resultados, não só com a finalidade de ganhar medalhas, mas algo muito maior que qualquer premiação material: o gostar da Matemática”, ressalta a educadora. Pela escola foram premiados, em 2018, mais de 60 alunos no total.

 

Do Ensino Médio, receberam a premiação:

1º ano 1 – Medalha de bronze (nível nacional) e medalha de prata (nível estadual): João Pedro, Lucas, Isabela e Mariana.

3º ano 1 – Medalha de destaque escolar: Breno Abraão, Kauê, Leonardo Enzo, Luana Vilela e Pedro Souza.

3º ano 2 – Medalha de bronze (nível nacional) e medalha de prata (nível estadual): Stella, Joaquim Itamar, Alex, Wevilaine, Ana Luiza, Shenara, Augusto e Erika Torres.

 

Já do Ensino Fundamental foram premiados os alunos:

6º ano 4 – Medalha de prata (nível nacional) e medalha de ouro (nível estadual): Matheus, Henrique, Noel, Cauan e Elisana.

7º ano 1 e 2 – Medalha de bronze (nível nacional) e medalha de prata (nível estadual): Laila, Bruno, Rafaela, Ana Luiza, Kauã, Maria Eduarda e Júlio Tarso.

9º 3 – Medalha de prata (nível nacional) e medalha de ouro (nível estadual): Albiner, Heitor, Maria Flavia, Aline e Flaviane.

 

Também receberam a medalha destaque escolar os alunos:

6º anos 1 e 2: Letícia, Laura, Maria Tereza, Pedro Afonso, Elisa, Renan, Tiago e Paulo Henrique.

9º ano 1: Daniela, Letícia, Eliza, Bianca, Adriele e Sabrina.

Os resultados do D. João VI renderam o reconhecimento da AIMO, que é uma iniciativa conjunta de três das melhores instituições mundiais dedicadas ao estímulo ao ensino da Matemática: Asian Mathematical Olympiad Union, The China Education Research Association e The Hong Kong Mathematical Olympiad Association.

A escola recebeu uma carta-credencial da AIMO para participar uma competição individual, aberta somente para escolas convidadas pelas secretarias regionais da instituição, na qual podem participar estudantes do 3º ano do Ensino Fundamental até a 3ª série do Ensino Médio de escolas públicas e privadas. O objetivo dessa iniciativa é estimular o interesse pela Matemática e promover a melhoria do seu aprendizado.

A competição é realizada desde 2012 (Hong Kong – 2012, Taiwan – 2013, China – 2014, Tailândia – 2015, Hong Kong – 2016, Malásia 2017) com a participação anual de mais de dois mil estudantes de 13 países ou regiões do mundo: Brasil, Bulgária, Casaquistão, China, Cingapura, Coréia do Sul, Filipinas, Hong Kong, Indonésia, Macau, Malásia, Myanmar e Taiwan.

No entanto, a escola alpinopolense lamenta não poder concretizar o sonho de viajar até a Tailândia para participar do evento, já que não conta com recursos financeiros para bancar as passagens e hospedagem, para alunos e professores, no país asiático.

Deixe uma resposta