Entrevista com o juiz Dr. Roberto Carlos de Menezes

Doutor Roberto Carlos de Menezes se despede, como juiz titular, da Comarca de Alpinópolis onde presidiu o Fórum por quase 14 anos. Esse magistrado de 47 anos é casado com Cintiane e tem três filhos, Arthur de 16, Esther de 14 e Othavio de 11 anos. Graduou-se em Direito pela Faculdade de Direito de Franca-SP em 1989, sendo também formado em Matemática e História pela FEI de Ituverava-SP. Exerce, além da magistratura, o cargo de professor de Direito Civil na UEMG-Passos. Em entrevista ao Tribuna Alpina, o juiz falou de sua carreira e sua recente promoção, fez comentários sobre política e deixou sua análise da comarca alpinopolense, a qual conhece tão bem.

Como foi o início de sua carreira?

Ingressei no poder judiciário em 1997, antes, porém, fui investigador por 7 e delegado de polícia por 5 anos, ambos ofícios exercidos no estado de São Paulo. Formei-me em Matemática, pela FEI de Ituverava-SP e História também pela FEI. O curso de Direito cursei na Faculdade de Direito de Franca, onde me graduei em 1989.

Quando e como veio trabalhar em Alpinópolis? Por que resolveu ir embora?

Fui designado para a Comarca de Alpinópolis no ano de 1999. Depois de atuar aqui por quase 14 anos, no inicio do ano passado resolvi concorrer a uma promoção, pois a data da minha aposentadoria já se avizinha e eu ainda não havia concorrido nenhuma vez. Apenas por este motivo resolvi ir embora, pois caso contrário, eu poderia aposentar aqui mesmo na Ventania, já que o juiz é irremovível, ou seja, nenhuma autoridade, nem o Presidente do Supremo Tribunal Federal, pode remover um magistrado de algum lugar contra a sua vontade.

Atuou em outras comarcas antes de vir pra cá?

Minha primeira comarca foi a 2ª Vara Criminal de Governador Valadares-MG e depois a Vara Única da Comarca de Três Pontas-MG.

Existe alguma estatística de quantos processos julgou na Comarca de Alpinópolis?

Durante estes quase 14 anos que trabalhei em Ventania julguei mais de 19 mil processos, o que dá a impressionante marca de quase 2 mil por ano, se contarmos apenas os dias úteis. A Comarca de Alpinópolis é uma das mais movimentadas de Minas Gerais, pois possui uma distribuição de aproximadamente 300 processos por mês. Para se ter uma ideia  a Comarca de Cássia, para onde fui promovido e que tem 2 varas e 2 juízes, possui uma distribuição de aproximadamente 200 processos por mês.

Como avalia o Judiciário na cidade de Alpinópolis?

A situação do Poder Judiciário em Alpinópolis é preocupante, em razão do alto volume de processos que dão entrada diariamente. A grande sorte do povo desta comarca é que os funcionários de seu Fórum estão entre os mais qualificados de todo o estado mineiro.

O prefeito Julio Batatinha recentemente divulgou pelas redes sociais que está negociando junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais a vinda de um novo juiz para Alpinópolis. O senhor tem conhecimento desse fato e poderia nos esclarecer algo sobre o assunto?

Antes de tudo, gostaria de esclarecer que essa questão do prefeito haver ido até Belo Horizonte para pedir a designação de um juiz para Alpinópolis foi um ato completamente desnecessário. Primeiramente porque o Tribunal de Justiça de Minas Gerais designa juízes por critérios técnicos e não políticos. Em segundo lugar porque, há uns 15 dias, o próprio TJMG já publicou no Diário Oficial o comunicado de que colocaria a comarca para a escolha de algum substituto no dia 18 de março, ou seja, virá um juiz para Alpinópolis nos próximos dias independente de algum político pedir ou não. Este é um trâmite do Poder Judiciário e não uma movimentação política. A designação não guardará qualquer correlação com este eventual pedido, ou seja, o Tribunal está cumprindo um procedimento interno e não atendendo solicitação de político, autoridade, órgão ou cidadão qualquer.

Acompanhamos também notícias de que o Executivo estaria pleiteando a instalação de uma 2ª Vara em Alpinópolis. O que tem a dizer sobre isso?

Quanto à solicitação de instalação da 2ª Vara em Alpinópolis, cabe esclarecer que esta já é a terceira vez que o pedido é feito. Como nas oportunidades anteriores, o TJMG foi enfático em afirmar que existem várias outras comarcas na frente para a questão de instalação de mais varas, e que Alpinópolis terá que esperar. Importante ressaltar que, das duas outras vezes que o pedido foi encaminhado, nós conversamos diretamente com os então presidentes do Tribunal de Justiça, sendo que desta vez, segundo informou meu escrivão Geraldo Magela, o grupo político composto pelo deputado Cássio Soares e os prefeitos de Alpinópolis e São José da Barra, foi atendido apenas pelo vice-presidente do Tribunal, o qual respondeu que não tinha qualquer poder para resolver o assunto e que passaria os ofícios para o presidente. Da reunião, os políticos saíram, mais uma vez, com a palavra adiantada de que o pedido não seria acatado por falta de recursos por parte do TJMG.

Em qual comarca atuará depois que se desligar definitivamente de Alpinópolis?

Atuarei na Comarca de Cássia-MG. Porém, segundo comunicação enviada a mim pelo Tribunal de Justiça, mesmo com a vinda de outro juiz para Alpinópolis, ainda continuarei cooperando com a comarca alpinopolense duas vezes por semana, sem data certa para cessar esta cooperação.

Deixe uma mensagem ao povo alpinopolense.

Gostaria de agradecer a gente desta terra que me acolheu como filho e pela qual tenho o maior respeito. Digo que lutei, da forma que pude, para proteger com unhas e dentes esta sociedade.




SOBRE OS COMENTÁRIOS

Este é um espaço de diálogo e troca de conhecimentos que estimula a diversidade e a pluralidade de ideias e de pontos de vista. Não serão publicados comentários com xingamentos e ofensas ou que incitem a intolerância ou o crime.

Os comentários devem ser pertinentes ao tema da matéria e aos debates que naturalmente surgirem. Mensagens que não atendam a essas normas serão deletadas - e os comentaristas que habitualmente as transgredirem poderão ter interrompido seu acesso a este fórum.



Importante: Os editores não farão aviso prévio em relação a exclusão ou não aprovação de comentários.

 

7 Responses to Entrevista com o juiz Dr. Roberto Carlos de Menezes

  1. Douglas Tintas disse:

    Dr.Roberto,parabéns pela sua atuação durante estes anos como Juiz de Direito em Alpinópolis.
    Sua participação, incentivo e apoio aos jovens no esporte,também são rastros que serão seguidos.Tem um dizer sábio que sempre aplicarei ao lembrar-me de V.Excia.”de repente você aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias”. Felicidades!

  2. Maria Inês Reis Machado disse:

    Dr. Roberto. Mesmo sem conhecê-lo pessoalmente, o Sr é uma pessoa que admiro muito. Sua imparcialidade, seu bom senso em resolver assuntos polêmicos , principalmente da política da Vantania que em muitos casos teve meu irmão Edson como réu, sempre acreditei que diferente do promotor que ai atua o senhor buscaria a justiça acima de tudo. Minas amigas advogadas como eu sempre ressaltaram suas qualidades. A Divina, a Concebida a Cida sempre exaltava como suas qualidades. E admirei seu empenho com os jovens alpinopolenses no quesito esporte. Sorte da cidade que contar com o Sr. para julgar os impasses! Estarão sempre em entregues a um ser humano que trabalha com responsabilidade e consciência. Desejo boa sorte e que Deus continue te iluminado para que suas sentenças tenham sempre a sentença da justiça e da verdade. Maria Inês Reis

  3. RODRIGO disse:

    uai julio, então que conversinha é essa que botou lá no face que é vc que foi pedir juiz e tals… que prosinha furada seu prefeito… 😀
    o juiz roberto calou sua boca legal, ein… 😀

  4. “Antes de tudo, gostaria de esclarecer que essa questão do prefeito haver ido até Belo Horizonte para pedir a designação de um juiz para Alpinópolis foi um ato completamente desnecessário. Primeiramente porque o Tribunal de Justiça de Minas Gerais designa juízes por critérios técnicos e não políticos. Em segundo lugar porque, há uns 15 dias, o próprio TJMG já publicou no Diário Oficial o comunicado de que colocaria a comarca para a escolha de algum substituto no dia 18 de março, ou seja, virá um juiz para Alpinópolis nos próximos dias independente de algum político pedir ou não. Este é um trâmite do Poder Judiciário e não uma movimentação política. A designação não guardará qualquer correlação com este eventual pedido, ou seja, o Tribunal está cumprindo um procedimento interno e não atendendo solicitação de político, autoridade, órgão ou cidadão qualquer”

    Meu Comentário: O Sr. Prefeito é formado em Direito,e não tem conhecimento do fato supra, bem como colocar familiares para trabalhar no serviço público sob o pretexto de serem voluntários, salvo melhor juízo,isto é nepotismo.

  5. GERALDO disse:

    SEGUE ABAIXO O COMENTÁRIO QUE FIZ EM RELAÇÃO À MATÉRIA ACIMA PUBLICADA, ESCLACENDO QUE O MEU OBJETIVO É EXCLUSIVAMENTE ESCLARECER OS FATOS COMO DE FATO SE DERAM, NADA MAIS DO QUE ISTO, SEM QUALQUER CONOTAÇÃO POLÍTICO PARTIDÁRIA.

    Posso ratificar integralmente as palavras do Dr. Roberto, na sua entrevista à TRIBUNA ALPINA, primeiramente no que tange sua promoção para a Comarca de Cássia, atendendo ao seu próprio pedido, portanto, sem qualquer intervenção política de quem quer que seja, tanto na sua saída, como na nomeação de outro Juiz para a Comarca, que ocorrerá na segunda-feira próxima. De igual forma, com razão o Dr. Roberto ao discorrer sobre nossa terceira visita ao TJMG, solicitando a instalação da segunda vara, que realmente restou totalmente infrutífera, pois todos os ofícios que encaminhamos na aludida reunião, somente foram protocolados no dia seguinte, diretamente ao gabinete do Exmo. Desemb. Herculano Rodrigues, DD. Presidente do TJMG, Gostaria de destacar que, sabedores de que a sua ida para Cássia era necessária, pois implica no crescimento na carreira como Magistrado, e, por conseguinte, na sua saída de nossa Comarca, contudo ficamos também contentes em saber que o Tribunal deferiu seu pedido, no sentido de PERMANECER aqui cooperando. Esta situação corrobora e destaca o mérito de seu trabalho e seu prestígio em permanecer como Juiz cooperador na Comarca de Alpinópolis. Com raríssimas exceções, as quais não merecem ênfase, todos estamos contentes com esta situação. Gostaria de dizer-lhe que, como seu colega de trabalho, seu escrivão, seu amigo e irmão, só tenho a agradecer o muito que aprendi e pude presenciar e vivenciar nestes anos com Vossa Excelência, o homem (JUIZ) de caráter e personalidade fortíssimos, porém com um coração imenso e de uma humildade que faz a diferença. Àqueles que o conhecem de perto, sabem de seu valor e de sua importância, isto é o que importa. Aos que o contestam ou reprovam seu trabalho, mais uma vez, não merecem meu comentário, gastemos, pois, o nosso precioso tempo com palavras, com pessoas e com o que realmente valha a pena.

    Ainda em relação à matéria de despedida do Dr. Roberto, há que se ressaltar que a Comarca sentirá muito a falta do Juiz amigo e compreensível, que atendia a todos, sem exceções, contudo ficamos contentes pelo sucesso e sua promoção na carreira. Além do legado na prestação jurisdicional na Comarca, de forma rápida, eficaz, competente e coerente, merece total destaque o trabalho social que o Dr. Roberto vem desenvolvendo, através do projeto C.E.L. (Cultura, Esporte e Lazer), em parceria com a A.V.V. (Associação Vascaína de Veteranos). Portanto, sua conduta, postura e sua dedicação em prol das crianças de nossa Cidade, dispensam outros comentários, pois, está fazendo o que o Poder Público e nós enquanto cidadãos Alpinopolenses deveríamos há tempos termos feito, ou seja, olhar e zelar por nossas crianças. E PONTO. Friso finalmente que, além permanecer entre nós, trabalhando como Juiz cooperador, uma das suas maiores preocupações era também de não abandonar o seu projeto com as crianças, isso se chama despreendimento e amor ao próximo. Assim, só posso pedir a Deus que continue o iluminando e guiando suas decisões e todos os passos de sua vida. O meu muito obrigado, um grande e forte abraço. Sucesso. Geraldo Magela Carvalho Alves – Alpinópolis, 16 de março de 2013.

  6. Izabel Paim disse:

    Parabéns ao Tribuna Alpina por mais esta iniciativa, pois entrevistar o Dr. Roberto e principalmente esclarecer à população sobre os caminhos do judiciário e da justiça, notadamente no que diz respeito a nomeação de juízes, foi excelente. Conhecimento nunca é demais, principalmente quando algumas pessoas tentam “pegar carona” nos acontecimentos naturais para de auto-promoverem. Ao Dr. Roberto só posso dizer que fico muito feliz em ter o prazer de continuar trabalhando com ele por mais algum tempo, primeiro porque é sempre muito bom trabalhar com um juiz humano, simples e acessível e em segundo, porque a ventania poderá usufruir um pouco mais de seu trabalho em prol dos adolescentes de nosso município.

  7. maria lucia rachid disse:

    Doutor Roberto,ser pessoa é disponibilizar-se aos outros,quer na vida profissional e na pessoal.O senhor é iluminado e no desempenho de sua profissão na função de Juiz de Direito,na sua convivência amiga na comunidade alpinopolense muito contribuiu com todos.
    Eu particularmente lhe agradeço por estes anos que trabalhei ao seu lado e tenha certeza que foi um período de aprendizagem que muito me acrescentou.O que o senhor recebeu de Deus,colocou a serviço de nossa comunidade e especialmente para comigo e minha família.Continue este ser humano que é e que Deus lhe abençoe sempre.Abraços da Neném Rachid,