Alpinópolis tem primeira morte por H1N1 confirmada em 2018

A Prefeitura de Alpinópolis confirmou, na tarde desta sexta-feira (17), a ocorrência da primeira morte causada por gripe H1N1 na cidade em 2018. A vítima da doença foi um homem de 52 anos, residente no bairro Mundo Novo, que faleceu no dia 4 de agosto na Santa Casa de Misericórdia de Passos. A comprovação veio por meio de um laudo emitido pela Fundação Ezequiel Dias – Funed, de Belo Horizonte. Esse é o terceiro óbito ocasionado por gripe no município nos últimos anos. Em 2016 uma gestante faleceu vítima de H1N1 e em 2017 um idoso morreu por contrair H3N2.

No caso em questão, o paciente chegou a ser internado no Hospital Cônego Ubirajara Cabral, no entanto, devido a complicações repentinas, foi encaminhado em 23 de julho para atendimento na Santa Casa de Passos. Diante dos indícios apresentados, os profissionais da instituição suspeitaram da ocorrência de H1N1 e coletaram o material biológico enviado à capital para análise da Funed, que posteriormente confirmou as suspeitas.

Cerca de dez dias após a internação, na madrugada do dia 4 de agosto, o homem veio a óbito.  O fato foi motivo de alarme, uma vez que o recente falecimento de uma jovem, de 21 anos, e os sintomas manifestados em uma policial civil e em um servidor estadual, já vinham causando pânico e gerando suposições sobre um possível surto na cidade.

Diante das especulações, um ofício foi emitido pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais – SES/MG. Este parecer técnico orientava que, em face das circunstâncias, a conduta a ser adotada pelo município deveria ter como base o Protocolo de Tratamento de Influenza do Ministério da Saúde, visando evitar pânico infundado e tomada de medidas não condizentes com a situação epidemiológica local. O documento ainda fazia referência ao caso específico da investigadora da Polícia Civil, esclarecendo que o quadro apresentado não se enquadrava no Protocolo do Ministério da Saúde, mas que, não obstante, uma amostra da paciente poderia ser colhida por questão pessoal. A policial chegou a ser internada na Santa Casa de Passos e a hipótese diagnóstica assinada pelo médico, em 31 de julho, apontava para suspeita de pneumonia ou H1N1.

Alpinópolis registrou três óbitos por gripe nos últimos anos

Antes da confirmação da causa desta morte por H1N1, um vídeo chegou a ser produzido por um servidor do Departamento Municipal de Saúde, com objetivo de tranquilizar a população sobre as especulações. Divulgado por meio das redes sociais, o conteúdo da gravação pedia calma aos moradores e afirmava não existir motivo para pânico, já que até aquele momento não havia nenhum caso confirmado no município.

Contudo, após o caso em questão ser constatado pela Funed, a Prefeitura de Alpinópolis emitiu nota admitindo a ocorrência da doença na cidade, porém comunicou que não houve disseminação do vírus. De acordo com a administração, foi realizado bloqueio junto a familiares e contatos mais próximos do paciente, inclusive com vacinação de todos, objetivando evitar um surto.

“Com o bloqueio e a ajuda de todos os profissionais da saúde de Alpinópolis, através de conscientização de hábitos de higiene e de prevenção e antecipação da vacinação, não houve disseminação do vírus e mais ninguém foi infectado. Agora a vigilância continua em estado de alerta máxima para que não haja mais nenhum caso da doença. Dúvidas entrem em contato com a UBS de seu bairro ou com a Vigilância em Saúde Municipal. Evitar lugares aglomerados e fechados e lavar sempre às mãos são muito importante para prevenção dessa doença”, diz a nota.

Deixe uma resposta