Alpinópolis tem avaliação mediana em índice sobre governança

Alpinópolis obteve índice 7.12 em um estudo sobre governança pública, realizado pelo Conselho Federal de Administração (CFA), com base em três eixos: Finanças, Gestão e Desempenho. Os resultados foram calculados a partir de dados referentes ao ano de 2018 e disponibilizados pela Secretaria de Tesouro Nacional (STN), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e o Datasus.

Classificada no ‘Grupo 2’ – composto por 1.905 cidades brasileiras com menos de 20 mil habitantes e PIB per capita de até R$15.029 – Alpinópolis ficou com nota 7.12 no índice geral. A melhor avaliação do município foi uma média 8.58 no tópico ‘Desempenho’, que engloba Educação (9.41), Saúde (8.44), Qualidade Habitacional (7.39) e Vulnerabilidade Social (8.42). A segunda melhor foi uma nota 6.92, no quesito ‘Gestão’, que incide sobre a Qualidade em Gestão (5,92), o Planejamento (3.44) e a Transparência (9.08). A pior avaliação foi um 6.85 obtido no quesito ‘Finanças’, que averigua os seguintes indicadores: Fiscal (7.03), Investimento Percapita (3.79), Equilíbrio Previdenciário (0), Custo Legislativo (9.93) e Colaboradores (9.90).

Essa média permitiu que o município ocupasse o 689º lugar em um universo de 1.905 que figuram nesta categoria. Na região, entre 13 cidades avaliadas com as mesmas características, Alpinópolis ficou com o 9º lugar, atrás de Capitólio, Bom Jesus da Penha, São José da Barra, Itaú de Minas, Cássia, Fortaleza de Minas, São João Batista do Glória e São Tomás de Aquino. Porém ficou na frente de Pratápolis, São Roque de Minas, Capetinga e Delfinópolis.

O Índice de Governança Municipal do Conselho Federal de Administração (IGM-CFA), além estabelecer um nota para cada tópico avaliado, cria uma meta a ser alcançada pelos municípios nesses quesitos, com base nas suas condições e potencialidades. Por isso, de acordo com o próprio CFA, pode ser de utilidade para gestores municipais, cidadãos, setor privado e pesquisadores.

Leave a Reply